Açúcar – o doce inimigo

Embora cause muitos problemas de saúde, o açúcar é um dos principais ingredientes da dieta ocidental.
A verdade é que o corpo humano e o cérebro precisam de açúcar para funcionar e a alma merece alguns mimos de vez em quando.
O problema é que hoje o açúcar é consumido quando industrializado, processado e em grandes quantidades, o que causa enormes prejuízos à saúde.

Além do açúcar em si, muitas pessoas comem alimentos ricos em açúcar, como arroz branco, farinha branca, alimentos processados, bebidas açucaradas e muito mais.
Esses alimentos, que são abundantes e consumidos em grandes quantidades, têm levado o organismo a se tornar viciado em açúcar!

Como mencionado, o corpo humano precisa de açúcar.

O açúcar tem uma substância (monossacarídeo) chamada glicose. Quando você ingere açúcar, a glicose entra na corrente sanguínea e segue para as várias células e órgãos do corpo. As células do corpo convertem a glicose junto com o oxigênio em energia – essa energia permite que o corpo viva e exista.
O açúcar não pode entrar nas células sozinho, então o corpo secreta uma substância chamada insulina, que coloca glicose nas células.
O pâncreas é o órgão no qual a insulina é produzida. A quantidade de insulina que o pâncreas produz depende da quantidade de açúcar que você ingere; portanto, quanto mais açúcar você ingere, mais o pâncreas trabalha.
À medida que o pâncreas trabalha cada vez mais, ele se cansa e pode chegar a um estado em que para de produzir insulina.
Quando o pâncreas produz pouca insulina (ou para de produzir completamente), a glicose não entra nas células e o sangue se torna um concentrado cheio de glicose e, em uma palavra, diabetes!
Além disso, as células que não receberam a glicose começam a morrer e todo o corpo fica cada vez mais doente.
Ao mesmo tempo, o açúcar causa obesidade, problemas dentários e uma variedade de outros problemas médicos.

A quantidade de açúcar de que o corpo necessita é pequena e já se encontra na maioria dos nossos alimentos naturais (como frutas, por exemplo).
O problema é que os humanos consomem grandes quantidades de açúcar e principalmente açúcar branco processado e industrializado, o que aumenta os danos à saúde.

Então, como todos os danos do açúcar à saúde podem ser evitados?

O melhor é evitar ao máximo o açúcar.
Evite bebidas açucaradas, não adoçar chás de ervas.
Evite comer farinha e arroz branco e reduza ao mínimo o consumo de doces.
Prefira comer frutas quando sentir vontade de comer algo doce.
Quando ainda é necessário adoçar uma bebida, alimento ou pastelaria, recomenda-se o uso de adoçantes naturais como: açúcar de coco, cereais, melaço e estévia.

Aqui estão os tipos de açúcar e adoçantes mais comuns (piores e menos ruins), o que é proibido e o que pode ser uma alternativa quando se quer adoçar alimentos:

Açúcar branco – açúcar industrializado, processado e refinado. Não tem valor nutricional, cria uma carga nas células do corpo e é significativamente prejudicial à saúde.
Açúcar mascavo – o açúcar industrializado e processado é ligeiramente inferior ao açúcar branco, mas na verdade é quase tão prejudicial à saúde.
Açúcar de cana – o açúcar menos processado mas ainda assim prejudicial e é aconselhável consumir o mínimo possível.
Açúcar de coco – o menos ruim dos açúcares. Ele se decompõe lentamente e cria menos tensão no corpo. Ao mesmo tempo, ainda é açúcar e é aconselhável não consumir em grandes quantidades.
Adoçantes artificiais – Existem muitos tipos de “substitutos do açúcar” com nomes mais ou menos familiares, também conhecidos por nomes como: sacarose, aspartame, sorbitol, maltitol e outros.
Isso é veneno!
Esses adoçantes são industrializados, cheios de produtos químicos e podem causar inúmeros problemas médicos como: vômitos, gases, diarréia, dores de cabeça e muito mais.
Mel – em termos de níveis de açúcar, o mel não é menos prejudicial do que o açúcar branco e não é recomendado para uso.
Seelan – um xarope extraído de tâmaras que são cozidas lentamente com água.
Contém cálcio, potássio, magnésio, ferro e vitaminas B e A, por ser muito rico em glicose, deve-se ter cuidado para não consumir muito.
Xarope de alfarroba / mel – um adoçante com um sabor especial e único. Contém menos glicose do que silano.
Além disso, é muito eficaz no tratamento de tosse hepática, problemas respiratórios, prisão de ventre e diarreia.
Antioxidante e antiinflamatório.
Dê cereal – um xarope com uma doçura suave que é extraído de grãos inteiros (arroz, trigo ou cevada).
Contém vitaminas B, cálcio, cálcio e muito mais.
Melaço – um dos melhores adoçantes.
Xarope extraído da cana-de-açúcar, rico em ferro, cálcio, zinco, vitaminas B e muito mais.
Quanto mais escuro for o xarope, menos açúcar tem e melhor é a qualidade.
Xarope de bordo – um xarope feito de uma parte da árvore de bordo.
É doce e óptimo para adoçar sobremesas e pastéis.
Contém zinco, cálcio, magnésio, ferro e muito mais.
Cuidado! O xarope com sabor de “bordo” não é puro xarope de bordo. Na verdade, é um xarope industrializado com grandes quantidades de açúcar, corante alimentar e aromatizantes.
Stevia – uma planta doce a partir da qual geralmente é produzido um adoçante.
Cerca de 2-3 gotas de estévia adoçam uma xícara de chá, por exemplo.
Também existem folhas secas de estévia que podem ser preparadas ou adicionadas ao chá para adoçar.
A singularidade da estévia é que ela não contém glicose e também não contém calorias.
Xarope de agave – um xarope doce extraído de um cacto.
Um adoçante natural e eficaz.

Yaron Cohen Zvi – Reflexologia e Medicina Complementar C

Gosto disso? Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email